terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

O Turismo cultural e o desenvolvimento sustentado da região alentejana

O Alentejo sofre de um atraso estrutural manchado de defeitos sectoriais que em 30 anos de democracia nenhum poder conseguiu solucionar.
Só a imprudência demagógica e a falta de respeito pelos alentejanos de alguns políticos, permite que de quando em vez raie um pequeno laivo de esperança nos rostos calcinados das gentes desta negligenciada terra. Surge uma esperança de quando em vez, mas logo se apaga a chama do acreditar, porque no concreto, o tempo se escoa e o Alentejo permanece imutável. É esta rotina sem futuro que obriga à partida dos mais novos. Uma partida quase sempre marcada pela ânsia individual de fecundar a riqueza que o seu chão lhe negou numa aspereza quase madrasta. Partem e ficam. Ficam e esquecem. E pouco a pouco o calor das recordações esboroa-se no escano da casa paterna que já é quase ruína.
Os mais cépticos clamam que o Alentejo não tem solução. Os mais optimistas lutam e lutam e lutam, até tontearem num redemoinho de acções ou de gestos com frugal significado.
A realidade do atraso estrutural do Alentejo deve-se a uma única causa: o poder local.
Durante 30 anos não houve um só político capaz de enquadrar devidamente os mecanismos que estão instituídos legalmente. A política local pautou-se e pauta-se por interesses de promoção pessoal, por interesses pessoais de brilhantismo político, ou por submissões ridículas aos aparelhos partidários, e esqueceu-se da realidade de um mundo que foi esmorecendo ao ritmo do descuido dos sucessivos governos centrais.
O Alentejo é hoje uma região triste, pobre e com pouco motivo para a esperança.
No Alentejo tudo falha, ou pelo menos tudo falhou.
De vez em quando repetem-se alguns discursos, que só servem para alentar o desalento de quem já perdeu o sortilégio do acreditar. Fala-se na rendibilidade de alguns sectores económicos. Mas quais? A agricultura? Mas já não está mais do que confirmada a falência agrícola do Alentejo? As quotas de produção impostas de forma fria e calculista pelos parceiros europeus destruíram a agricultura da nossa e de outras regiões portuguesas. Porquê andar então a trautear sempre o mesmo fado? Há, efectivamente, alguns produtos agrícolas com futuro, como por exemplo os vinhos, o azeite, a cortiça e as madeiras. Mas que incentivos, que políticas ministeriais estão a ser adoptadas para dinamizar essa produção numa escala de mercado que permita a competição em mercados internacionais? Que incentivos existem para a fixação de jovens agricultores? A agricultura alentejana é hoje um sector de actividade ocupado por uma faixa etária envelhecida, assente numa base de sustentabilidade que depende exclusivamente dos financiamentos pagos para não produzir. E no que concerne aos produtos tradicionais, a história é a mesma. Não haverá qualquer projecto de sucesso, enquanto preliminarmente não se incutir na mentalidade das pessoas os benefícios do associativismo.
Relativamente à indústria, nem é preciso falar. O Alentejo não é, devido ao seu encravamento geográfico, uma região que atraia investimentos de vulto, e ainda menos em ramos que necessitem de mão-de-obra especializada.
A economia mundial tem passado por vários ciclos de dinamização, onde surgem sectores que emergem como vertentes de ponta, sectores capazes de criarem riqueza e dinamizarem de forma categórica regiões países ou mesmo continentes.
Desde os finais do século XX que o turismo se está a impor como um sector charneira da economia mundial. A nível nacional têm-se acompanhado de forma defeituosa essa evolução, tendo-se apostado desde os anos sessenta do século XX apenas num turismo de sol e de praia.
Os números do turismo a nível mundial passaram de 180 milhões em 1971 para 600 milhões em 1996 e a Organização Mundial do Turismo prevê que o turismo internacional aumente 4% ao ano e que em 2010 chegue aos 970 milhões de turistas. O conceito de turismo foi-se alterando ao longo da última década, e hoje dispersa-se por várias actividades que ocupam e preenchem formas diversificadas de lazer do ser humano. Um dos conceitos mais recentes é o conceito de turismo Cultural. Ora tal actividade requer, cada vez mais, uma filosofia de sustentabilidade que se baseie no respeito e na preservação a longo termo dos recursos naturais, culturais e sociais e contribua de forma positiva e equilibrada para o desenvolvimento económico e para melhoria das condições de vida dos indivíduos que vivem, trabalham ou descansam nos espaços alvo desse turismo.
O Alentejo reúne um conjunto de sinergias fulcrais e indiscutivelmente possibilitadoras do incremento sustentável dessa actividade. Exemplos disso são a hospitalidade dos alentejanos, a riqueza do seu património histórico, arqueológico e cultural; a existência de um parque temático de vulto mundial como é o caso do Fluviário de Mora; a qualidade do património ambiental e natural; a existência de Évora Património da Humanidade como Paisagem Cultural Evolutiva e Viva; ou a existência de parques naturais como o de Castelo de Vide e a Barragem do Alqueva.
Estes são apenas alguns dos exemplos mais emblemáticos. Mas se descermos a uma escala de circunscrição concelhia, os valores e recursos poderão ser multiplicados em conformidade com as potencialidades e características de cada aldeia e a criatividade dos “agentes investidores” e dos poderes políticos instituídos.
O turismo cultural é, no caso do Alentejo, uma potencialidade que só levará a um desenvolvimento sustentado e com repercussões positivas na economia local e na melhoria das condições de vida dos seus habitantes.
Contudo, não se incrementa uma actividade sectorial ou de “ponta” a partir do nada!
Por detrás de uma política de desenvolvimento local deverá estar um conjunto de investimentos estruturantes que criem condições à implementação de determinada actividade; uma estrutura técnica competente, e o fomento de incentivos para a fixação de jovens capazes de dinamizarem tal actividade.
Ora essa não é a preocupação da maioria dos nossos autarcas. Empenhados na conquista de um populismo que lhes garanta a reeleição, esquecem-se, ou simplesmente ignoram, as consequências positivas que o incremento ou a aposta no turismo cultural poderia ter, se pensado e enquadrado como pólo dinamizador da sociedade e da economia regional. E é talvez por tal negligência ou esquecimento que esta terra inteira permanece velha. Tão velha, sulcada e solitária como as rugas dos rostos da gente que teima em permanecer na minha aldeia.

1 comentário:

euetunos10 disse...

Minhas pombas giras façam sua gira e afastem (PMLR) de qualquer mulher com quem ele esteja nesse momento, e se estiver que chame meu nome. Quero amarrar o espírito e o corpo de (PMLR), pois o apaixonado por mim, quero que (PMLR) fique dependente do meu amor, quero vê-lo louco por mim, me desejando como se eu fosse a última pessoa da face da terra. Quero seu coração preso ao meu eternamente, que em nome da Grande Rainha Maria Padilha floresça este sentimento dentro de (PMLR) deixando-o preso a mim 24 horas por dia. A pomba gira Rainha Maria Padilha há de trazer (PMLR), para mim , pois eu o desejo, e o quero depressa. Pelos poderes ocultos, que ele pense so em mim, como se eu fosse única pessoa do mundo. Que (PMLR) venha correndo para me encontrar cheio de desejos e tesão, que ele não tenha sossego enquanto não me procurar. Rainha Maria Padilha eu te imploro para que me traga PMLR que ele me ame muito, venha manso e como eu desejo.Eu agradeço a grande Rainha Maria Padilha. E prometo sempre levar seu nome comigo. OH! Poderosa Pomba Gira Sete Exus, quero de volta meu amado que me entristece com seu desprezo, que ele esqueça e deixe de uma vez por todas outros amores e os que queiram nos afastar. Que PMLR desanime, e esfrie para as outras pessoas. Que PMLR se sinta sozinho, humilhado, envergonhado de todos e por todos. Que Ele venha a mim, peça meu amor, meu perdão. OH! Linda Poderosa Pomba Gira Sete Exus, que nesse momento PMLR não queira mais estar com ninguém nem com seus amigos. Que fique só pensando em mim e pensando como vai fazer para me fazer feliz. Preciso Rainha de um sinal, um telefone, qualquer contato para eu saber se PMLR pensa em mim e que me quer, me tire dessa escuridão. Que PMLR fale comigo que sinta saudades. Você é forte, poderosa, traga PMLR aos meus pés, para não mais sair, e que venha correndo, que largue tudo e a todos. E que só pense em mim. Sr. Exu Caveira que com seu grande e forte poder tire todas as barreiras que estão impedindo que PMLR me ame loucamente e deseje se unir a mim. Quero meu amado, me amando e me admirando sempre. Que ele não sinta mais desejos sexuais por nenhuma outra pessoa. Que seus desejos sejam só para mim, que seu pensamento, gentilezas e bondades sejam só pra mim. Que ele PMLR queira muito de verdade que eu, MCGD, fique com ele. Mas, quero que você, Exu Caveira, afaste de nós tudo e todos que nos separam. Que possamos ser felizes juntinhos. Que ele só sinta atração e desejo sexual por mim. Que ele me telefone, fale comigo de algum jeito, desde já e a todo instante. Que sinta saudade minhas, e que sofra longe de mim e não agüente mais sofrer. Quero que ele me ligue hoje e agora. Quero ouvir a voz dele, me pedindo para ficar comigo e voltar para mim, para sempre, dizendo que me ama e que me quer. Obrigado, Copie e cole um pedido igual a este aqui em 7 altares diferentes e dentro de 7 dias seu pedido será realizado. Oração forte para amarrar alguém. Simpatia infalível, porém não se pode voltar atrás. Confiante eu a aguardo minha Amiga Maria Padilha, Poderosa Rainha das Setes Encruzilhadas, pois já me faltam portas onde baterr!!!!!!!